Wednesday, February 10, 2010
retórica para amanhã à noite

o homem está cansado de viver e segura ainda um jornal -
está cansado de viver mas não se apercebe, só nós,
estrangeiros dele, o sabemos, nos encontrões
súbitos da poesia, reconhecer. vai subindo a rua segurando
um jornal, chorando papéis, fotografias, todo um corpo
guardado sob um casaco, uma camisa, umas calças.
as putas acenam-lhe e ele ignora-as, talvez noutra tarde,
noutra noite. espera-o um jarro de flores com a água
esverdeada, não se lembra de alguma vez as ter trocado,
é possível que tenham morrido. o homem pergunta-se
se as flores estão cansadas de viver mas, coitadas, nem
se apercebam, só ele, estrangeiro delas, o note, numa
angústia; bem vistas as coisas, é possível que as flores já
estivessem mortas à partida, sem as suas raízes, apenas
caule e pétalas e estames inúteis que nunca serão
usados na polinização de outro universo. as putas
acenam, só pétalas e estames, a rua afunila-se e
fecha-se, o homem continua a sua história anónima,
com muitas dores de dentes e de cabeça, para as quais
toma medicamentos genéricos receitados pelo médico
de família.

Posted at 04:58 pm by pedro tiago

 

Leave a Comment:

Name


Homepage (optional)


Comments




Previous Entry Home Next Entry

"Poesia é uma coisa que não é a mesma coisa mas é igual."

Beatriz Bruno Antunes, 4 anos


   

<< February 2010 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01 02 03 04 05 06
07 08 09 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28


If you want to be updated on this weblog Enter your email here:




rss feed