Sunday, April 12, 2009
A partida dos raios

Os mortos abandonam
crónicas escritas a vermelho
nas entradas laterais do mais
insólito suspiro da mente
(humana?). No fim chamam-nos
todos humanos porque não
fizeram questão de nos abrir
a cabeça e os dentes e as unhas
sujas de sonhos, não se lembraram de
pesquisar o cosmos atrás da retina
nem trouxeram do fim do mundo
o princípio das palavras.
A surdez conquistou-lhes
uma voz perdida e esperam
que o mundo acabe na esperança
que comece o sonho.
Somos todos uma espera denegrida
de nada, um segundo nome da
inteligência: inexistência.

Posted at 11:14 pm by mortir
cicatrizes (2)  

Monday, February 16, 2009
diana

se me deres a mão
se me olhares hoje neste fim de tarde
se não saires agora
se me sorrires
se me deixares continuar esta conversa
em torno de um bule e uma chávena
de chá e olhar-te
olhar-te, esse maravilhoso
exercício
se te puder pegar na mão
para exemplificar estas coisas
para te exemplificar uma estrela
um lago
ou uma paixão
então tomarei a liberdade de o fazer
e de te dizer baixinho
"amo-te"
mesmo que isso só corresponda à relativa
verdade
instantânea destes segundos. e
amar-te-ei, os meus lábios contra
os teus dentes numa demanda
de sangue e linfa,
a tua voz nos meus ouvidos
no meu crânio como
se eu fosse um pássaro
com coisas magnéticas
a indicar no inverno:
volta para onde é primavera.

Posted at 04:17 pm by pedro tiago
deixa uma marca  

Monday, February 09, 2009
Quando os olhos têm vírgulas

Quando, hoje, entre
nós há uma sombra
e os ombros, por
baixo das mãos,
se encontram límpidos
como a ave que morta
se corta nas farpas,
confundo-me na mescla
de cores ovíparas que
guardas nos olhos
como lágrimas que,
ainda ontem, permaneciam
inertes no fundo da garganta
do animal de pedra que
se diz por aí, terá morrido
de overdose.

Onde me perdi, para me terem encontrado tão depressa?

Posted at 10:47 pm by mortir
cicatriz (1)  

Saturday, January 03, 2009
,

se eu pudesse
beijava-te
como não posso
beijo um qualquer
pensando em ti

Posted at 06:01 am by su
cicatriz (1)  

Tuesday, December 30, 2008
Consideração: Constelação

Talvez seja a altura indicada para partir,
dizias tu, no meio da aldeia, com o chapéu
cheio de frutos que, se não eram naturais,
pareciam. Eu disse-te qualquer coisa de
que não me recordo, comparando-te à
Carmen Miranda e tu não gostaste e empurraste-me
o braço. Depois amuaste e foi como se
um bocadinho de sol - repara - tivesse
sido engolido por uma nuvem. E as mulheres
que trabalhavam nos campos também se
aperceberam e ergueram-se de mãos
sobre os olhos, para ver o que se tinha
passado. E os homens fecharam-se nos
cafés e nas tabernas. Tu não disseste mais
nada a tarde toda e os frutos no teu chapéu
pareciam, agora, cada vez mais orgânicos,
como se a qualquer momento pudessem
iluminar um destes becos, conforme anoitecia.
Eu só gostava de aprender a morrer de
outra forma menos dolorosa. Mais poética.
Foste-te embora sem que eu tivesse oportunidade
de te dizer que te preciso. Preciso imenso de ti
para um poema.

Posted at 05:46 am by pedro tiago
deixa uma marca  

Friday, December 12, 2008
retroactivo

(dá-me a mão
vamos para outro
lugar
fingir
a água
e juntar as bocas
uma à outra
pensando
nos cisnes
que se perderam
nos pântanos)

Posted at 08:35 pm by pedro tiago
deixa uma marca  

Monday, December 08, 2008
Onde choras ?

Gosto de pensar em tudo o que não sou,
como se um dia quisesse sê-lo.

Esquecer-me de tudo o que fui,
como se quisesse fazê-lo.

(Já não me lembro de nada...)

Respira. Morreu o cansaço nos teus braços.
Não me tens inteiro, porque (já) não o sou,
mas penso...

"Nunca".

Posted at 09:18 pm by mortir
deixa uma marca  

Tuesday, November 11, 2008
adriana

vestia um avental e servia o almoço enquanto mascava
pastilha e com um olho em mim e o outro
olho
cabelo e não olho
deixando entrever a língua e um seio
segredava-me coisas de nudez e de corpos
de hormonas e de estrogénio
e de testosterona. guardava estas
verdades numa caixa hermética,
um triângulo para o qual o meu
corpo brotava de dentro de mim,
uma aguda fonte
de carne e seiva, de dentes e unhas
de lábios e dedos. não somos
similares. comemos um pequeno-
almoço devagar. despedimo-nos.
é possível que nos encontremos de novo
um dia destes, com mais coisas a partilhar
que apenas estes sacos de
corpo.

Posted at 02:39 pm by pedro tiago
deixa uma marca  

Thursday, November 06, 2008
Ausência

As luzes ofuscam, apagam
a noite.
Aleijam, matinais, nos
sonhos que acabam
em ferrugem artificial
de lâmpadas
amarelecidas de sangue.
Acendem-se, incendeiam-se
sóis que te mostram no
centro do palco, dançando
em passos curtos,
beijando as nuvens, escrevendo
sinceridade no céu.

Continuas como se nada
te observasse.

Como se apenas eu, ao fundo
da sala, disposto em forma
de relógio, de tempo, te observasse
o movimento dos olhos, dos sonhos.

Posted at 12:20 am by mortir
cicatriz (1)  

Sunday, September 28, 2008
Pedras nos olhos

Tenho um quartzo rosa, polido,
nos murmúrios de ser o que fui.
Faz-me mal guardá-lo tão
perto porque lhe toco, muito,
e me doem as forças e os
empurrões desanexados de existência
que, depois de vil, se torna mórbida.

Leio poemas e engulo
ametistas sem sequer
proferir palavras,
sem violar as regras
do silêncio que, tantas
vezes, me gritam afónicas
que volte, morto, ao cemitério
onde me nasceram
válvulas na medula,
para que o físico
se pudesse encontrar
com o metafísico.

Mas nunca encontrou...E ainda bem.

Posted at 02:35 am by mortir
cicatriz (1)  

Previous Page Next Page

"Poesia é uma coisa que não é a mesma coisa mas é igual."

Beatriz Bruno Antunes, 4 anos


   

<< August 2017 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01 02 03 04 05
06 07 08 09 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31


If you want to be updated on this weblog Enter your email here:




rss feed